Eu sou L., mãe de B. Fiquei 10 anos na Fazenda. Cheguei com minha filha doente, desnutrida. O padre Caetano pensava que eu era uma criança, mas era eu. Tinha 24 anos e Bel 9.

Quando cheguei lá, logo me impactei e pedi ao Padre Caetano de me acolher. Me trataram bem e minha folha se recuperou, começou a frequentar escola… até se formar. Minha filhal fez a primeira comunhão e a crisma.

Agora ela me ajuda a cuidar de uma outra menina que acolhei na fazenda.

Me tornei uma pessoa boa, recebi amor e respeito de outras pessoas até que algumas me agradeciam!

Aprendi a respeitar os outros, á não xingar. Guardei amigos nos quais posso me apoiar.

Antes, não tinha freiras e eu pedi á Padre Thierry de mandar umas para nos poder nos comunicar com mulheres: é mais fácil! E ele mandou duas.

A irmã I. me marcou muito com amizade respeito e amor que ela me deu.

A melhor coisa que me aconteceu foi acolher B., fazer dela uma mulher de bem, igual às pessoas da Fazenda fizeram de minha filha uma mulher de bem. Agora ela trabalha de assistente duma dentista e gosta do seu trabalho. Todas primas da minha filha foram num caminho ruim, mas ela teve a chance de ser educado ao bem na Fazenda.

Agradeço.